Como lidar com pessoas grossas? – Ideias para uma vida mais equilibrada

Heidi Muniz | Autoestima

set 15
pessoas grossas

Pessoas grossas podem estragar o seu dia em questão de minutos, principalmente se a sua autoestima estiver baixa. Quando se trata de desconhecidos, fica até mais fácil, pois você provavelmente nunca verá aquele ser humano de novo. Mas a situação é mais complicada caso a pessoa rude seja um familiar ou colega de trabalho.

Vi em alguns lugares que uma das dicas para lidar com pessoas grossas é cortá-las da sua vida. Porém, existem casos em que isso simplesmente não funciona. O preço de cortar pessoas grossas da sua vida pode ser alto demais, te forçando a abrir mão de oportunidades e de outras pessoas que são importantes para você.

Então confira a seguir ideias menos drásticas e mais equilibradas para lidar com pessoas grossas.

Mude a sua postura

Quando alguém trata você com desrespeito, aparentemente só existem duas opções: devolver na mesma moeda ou guardar tudo para si. No entanto, nenhuma delas resolve nem ameniza o problema.

Se você reagir com hostilidade, à altura do que recebeu, a sua relação com a pessoa grossa será mais difícil e exaustiva nas próximas vezes. E pior ainda, você acabará se tornando alguém rude também. Por outro lado, se ouvir tudo calado, a mistura de raiva e ressentimento pode te “envenenar”, deixando você num estado de desânimo e com a autoestima ferida.

As pessoas grosseiras são geralmente seletivas. Tratam mal quando têm algum tipo de autoridade ou escolhem alguém que sabem que irão tirar do eixo. É por isso que uma pessoa nervosa é alvo fácil para os colegas rudes. Não faz sentido, mas existem pessoas que realmente gostam de gerar e de participar de conflitos. Neste caso, é mais produtivo para você, quebrar o “fluxo de grosseria” com respeito. Você leu certo, respeito é uma boa solução. Estas pessoas hostis não são acostumadas com respeito e, portanto, há grandes chances de que elas não saibam nem o que fazer, se você responder com respeito. É o famoso ataque surpresa, mas com consequências positivas. Você tira todo o prazer da pessoa hostil de criar um conflito e ainda mostra que você é diferente, alguém que merece respeito.

Se você reage com silêncio, uma ideia simples é mudar a sua postura. De acordo com o estudo da professora Dana Carney, do departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia em Berkeley, uma postura mais relaxada ajuda a ter atitudes mais confiantes. Músculos mais relaxados mudam até os seus níveis hormonais, acredita?! Então, atenção com os ombros encolhidos e rígidos.

Além disso, com uma postura relaxada, a sua tolerância a situações de risco ou estresse será maior. E também é uma maneira de demonstrar que você não se sente ameaçado com as afrontas recebidas.

Use fatos para dissolver a hostilidade

Fatos são argumentos mais neutros e conscientes e você pode usá-los para interromper o conflito. Dependendo da pessoa, talvez ela ou ele até concorde com você e seja possível chegar a uma compreensão mútua. Mas, para que você não fique frustrado, se conseguir desmontar os argumentos da outra pessoa e fazê-la recuar já é uma grande vitória.

A hostilidade, os palavrões, o tom de voz alto são provas de que o emocional já assumiu o controle. Em vista disso, usar fatos, ter racionalidade e coerência são alternativas para não amplificar as várias emoções do conflito.

Perceba a fragilidade das pessoas grossas

Curioso, mas as pessoas grossas podem ser bastante “sensíveis”. Você diz uma palavra e elas já se sentem ofendidas. Na mente de quem é rude, o mundo está constantemente atacando e é preciso se defender, com grosseria e falta de respeito. Além disso, estas pessoas apresentam diferentes distorções de pensamentos:

  • imaginam situações catastróficas (“tempestade num copo d’água”)
  • acreditam em suas suposições e acham que sabem o que você está pensando (e que certamente, você está pensando algo ruim sobre elas)
  • classificam pessoas em boas ou ruins, baseando-se em detalhes que muitas vezes não passam de mal-entendidos

Dessa maneira, é importante entender que você está lidando com alguém que tem pensamentos distorcidos e um emocional frágil. Então se for uma pessoa da sua família, procure pensar em algum ponto que desperte a sua compaixão e que te ajude a ter mais paciência. Talvez seja uma criação muito rígida e sem carinho, uma perda grande que essa pessoa não superou, um trauma. Tente ver a dor que origina essa hostilidade. Tal percepção abrirá espaço para que você aja com mais equilíbrio durante os conflitos.

Compaixão não é uma habilidade fácil de desenvolver, mas melhora diferentes aspectos da sua vida. Ter compaixão é libertador, pois a raiva e o ressentimento que você carrega são como correntes, que pesam e afetam o seu bem-estar. E ao liberar a mágoa, você fica mais leve, livre para ter sentimentos positivos e viver mais animado com a vida.

Fortaleça a sua autoestima

Mesmo que você consiga lidar com a pessoa rude, o frequente contato com insultos e a negatividade podem prejudicar a sua confiança. Por exemplo, a sua mente pode duvidar se você merece respeito. No caso de um colega de trabalho, talvez você se pergunte: será que eu estou tão abaixo assim para esta pessoa me faltar com respeito? No ambiente familiar, talvez você pense: “Como é possível que alguém que deveria me amar, me ofenda tanto? Eu devo ser mesmo o errado aqui.”

Outro ponto ruim para a sua autoestima é que quando os embates são frequentes, você está sempre tomando cuidado para não chatear o outro. Mas viver num estado de alerta, pode te levar a acreditar que você é realmente culpado pelo comportamento da outra pessoa. E ninguém merece viver assim, isso é falta de qualidade de vida!

Diante disso, é essencial fortalecer a sua autoestima. Com uma autoestima saudável, você não ficará desesperado para mudar as atitudes alheias. Afinal, isto não é responsabilidade sua. Parte de ser confiante é conhecer a linha entre o que você pode e o que você não pode controlar. Então lembre-se que você controla apenas as suas próprias ações. E livre-se desse peso de resolver a grosseria do mundo.

Você quer aprender mais sobre comunicação e autoestima?

Aprenda mais sobre estas habilidades, se inscrevendo na newsletter logo abaixo. Assim você receberá os novos conteúdos de comunicação e autoestima assim que forem publicados.

Um abraço!

Receba gratuitamente os conteúdos sobre comunicação e autoestima
Imagem: Nicole Honeywill via Unsplash.
Follow

Sobre a autora

Fundadora do Mudança em Foco. Heidi Muniz é coach e mentora de desenvolvimento pessoal. Suas linhas de trabalho são a autoestima, relacionamentos amorosos e crescimento pessoal. Saiba mais sobre as mentorias da Heidi na página Serviços ou conheça a trajetória dela na página Sobre.